Comunidade BrasileiraNova Zelândia

Laura da Silva, Estrela no tênis na Nova Zelândia

Os desafios de adaptação em um novo país e uma nova cultura é também uma luta para se tornar parte da nova sociedade. Esta família nos conta como encontraram nos esportes o caminho de integração sendo uma família imigrante.

Família paranaense, de Curitiba. Tiago, sua esposa Patrícia, e seus dois filhos, a Laura e o Pedro.

A decisão de sair do Brasil surgiu após o encerramento das atividade de uma empresa que Tiago era o proprietário, com dois filhos na idade de 10 e 4 anos, Tiago e Patrícia decidiram que era a oportunidade que teriam de morar fora.

Tiago conta: “Conversei com alguns conhecidos e parentes e fizemos uma lista dos locais que poderíamos nos mudar, nosso critério era que deveria ser um pais de língua inglesa (para desenvolver as crianças bilíngues) e que tivesse possibilidades e oportunidade de eu exercer minha profissão (engenharia).”

Escolha do país

A Nova Zelândia reconheceu o diploma de Tiago muito rapidamente e desde esse momento eles se focaram em se mudar para Aotearoa.

“Levamos mais um ano para mudar definitivamente. Eu cheguei em julho de 2017, minha esposa e as crianças vieram em novembro de 2017… Laura chegou com 11 anos e Pedro com 5”, relata Tiago.

Tiago morou um mês em Auckland, depois que recebeu uma oferta de trabalho (Structural Designer) se mudou para Palmerston North, onde permanecem no mesmo endereço desde então.

Oportunidade

Oportunidade de trabalho, mobilidade, segurança e educação de qualidade são fatores que quando colocados na balança contra a distância e a saudade dos familiares faz toda a diferença.

“Ver agora meus filhos tirando vantagem desses fatores e aproveitando amizades como se fossem locais é uma experiência que levarão para a vida. É gratificante poder oferecer isso tudo a eles”, diz Tiago.

 Como o tênis entrou na vida desta família

Tiago conta que o tênis foi a grande ferramenta de socialização para sua família na Nova Zelândia. Ele joga socialmente e ao chegar em Auckland sozinho logo procurou um clube e começou a jogar 3, 4 vezes por semana, sempre em grupos…. “clubes são uma parte muito forte da sociedade na Nova Zelândia, tem clube de tudo”.

Não foi diferente quando chegou em Palmerston North, logo Tiago encontrou um clube, começou a jogar e também iniciou a pesquisa para encontrar opções de técnicos para a Laura que chegaria na Nova Zelândia em novembro daquele mesmo ano.

 Laura da Silva

“Como disse, minha esposa e filhos chegaram em Novembro, e Laura logo começou a treinar e ter a rotina parecida com a rotina do Brasil, escola, esporte e tudo mais”, conta Tiago.

Em questão de alguns meses a Laura já se tornou a numero 1 abaixo de 12 anos em Manawatu (Província onde fica Palmerston North).

Laura da Silva

Ela continuou treinando, jogando, ganhando torneios e em novembro de 2019 conseguiu sua melhor colocação no ranking nacional com o numero 9 nacional para jogadoras abaixo de 12 anos… um jornal local e a federação de tênis Paraná escreveram sobre isso.

Final de 2021, Laura conseguiu ótima colocação novamente com o numero 13 para jogadoras abaixo de 14 anos.

Hoje Laura é conhecida e joga o torneio Interclubes Premier 1 Adulto em Palmerston North e em Wellington com os melhores jogadores do país toda quarta-feira a noite em Palmesrton North, e todo sábado a tarde em Wellington (130km de distancia). Um esforço que vale a pena para esta família.

 O talento acompanha Laura

Laura é uma adolescente talentosa, além do tênis tem a pintura e desenhos como hobbies, tenta sempre passar algum tempo com amigos e é ela quem controla a própria agenda marcando jogos e treinos. Perguntado sobre seu futuro, Laura faz planos de se formar arquiteta.

” Laura tem uma ética de trabalho muito alta e uma determinação que não é vista com frequência em muitos dos tenistas juniores com quem trabalhei ao longo dos anos como treinador profissional. Acredito que é seu ambiente familiar de apoio e a experiência que Laura ganhou tanto em seu país natal, o Brasil, e mais recentemente na Nova Zelândia, que a equipou com as ferramentas que ela agora possui” Jono Spring – Treinador  | Club Coach of the year at the Tennis New Zealand awards in 2014, 2017 and 2019

 

“Pela dificuldade de locomoção gerada pelo COVID19, a profissionalização no tênis se tornou bem difícil, mas estamos trabalhando juntos para coletar vídeos e manter um portfolio atualizado visando conseguir uma eventual bolsa de estudos nos EUA para Laura se formar arquiteta e jogar tênis universitário (o que pode ser um caminho alternativo para a profissionalização), Laura ainda não tem uma proposta oficial, mas já tem contatos de universidades em Michigan, Georgia e California que estão na divisão NAIA e demonstraram interesse em ter Laura para defender seus times”, nos conta o pai de Laura.

 Esporte e Socialização

“Assim como o tênis se tornou nossa ponte para socializar, eu e minha esposa escolhemos o esporte como ferramenta de criação e desenvolvimento para nossos filhos. Pedro, nosso filho mais novo é excelente nadador e acredito que vamos fazer por ele tudo o que estamos fazendo pela Laura”, afirma Tiago.

O desafios não são poucos, mesmo passando por situações de bullying e xenofobia, Laura segue com coragem e determinação.

Vitórias recentes

Na semana passada, Laura participou de um campeonato integrando o time Manawatu, que nunca haviam ganhado esta competição. A Laura contribuiu com 6 vitórias e duas derrotas.

Time Manawatu

Portfólio

Quer conhecer um pouco mais sobre a trajetória da Laura na Nova Zelândia, acesse por aqui Laura da Silva.

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo