Comunidade

A Jornada desafiadora e inspiradora de Juliana Carvalho

Entrevista com a brasileira que desafia as políticas de imigração da Nova Zelândia

São muito os desafios para aqueles que decidem deixar a terra onde nasceu e cresceu, e migrar para outro país, deixar tudo para traz para ter um novo começo.

O desafio desta brasileira agora é conquistar o direito de permanecer neste país. Para ela, deixar sua família na Nova Zelândia e voltar para o Brasil não é uma opção. Conheça Juliana Carvalho e sua história!

BN: Onde nasceu e morou no Brasil?

Juliana: Eu nasci em Porto Alegre e morei lá até outubro de 2012, quando vim de mala e cuia pra NZ.

BN: Quando e por que escolheu a Nova Zelândia para morar?

Juliana: Na carta aberta que escrevi para o ministro da imigração, eu conto em detalhe porque vim para New Zealand e também fala sobre todo o processo até chegar no tribunal contra deportação.

(…) Em janeiro de 2012, eu vim para a Nova Zelândia de férias para visitar meus irmãos, Alex e Vivi, que já moravam aqui e acabaram se apaixonando pela Nova Zelândia. Eu não tinha dúvida de que queria fazer da Nova Zelândia minha nova casa, então vendi todos os meus pertences no Brasil e mergulhei. Voltei para a Nova Zelândia em outubro do mesmo ano e me matriculei em um curso de inglês no NZIE. Após dois meses morando na Nova Zelândia, participei do exame IELTS e obtive 7,5 pontos na banda geral. Um mês depois, consegui um emprego como Assistente Pessoal do Diretor de Advocacia no escritório do Comissário de Saúde e Deficiência.(…)Trecho tirado da Petição destinada ao ministro da imigração

BN: Nos conte sobre essa triste situação da negação de seu visto de residência, os processos que tem passado e como a comunidade brasileira pode te ajudar.

Juliana: O tribunal da imigração decidiu dia 11 de fevereiro que devo ser deportada, mas me deu 3 meses de work visa pra me organizar e deixar o pais. Agora, a minha ultima chance legal de permanecer aqui com minha mãe, duas irmas, meu irmão e sobrinha é conseguir intervenção ministerial. O ministro tem total poder pra decidir o meu destino. Ele vai se basear em opinião pública por isso a minha petição é fundamental e a comunidade brasileira pode ajudar muito assinando e compartilhando.

Segue o link para assinar e compartilhar Aqui.

BN: Quais são seus planos para o futuro e como sua história pode inspirar outras pessoas.

Juliana: O meu sonho é viver dando palestras para motivar as pessoas a seguirem seus sonhos, cumprirem suas missões e se divertirem no caminho. E claro continuar representando as pessoas com deficiência.


A equipe do Gaea Podcast gravou um episódio contando em detalhes sua jornada desafiadora e corajosa, para ouvir clique Aqui.

Biografia Juliana Carvalho

Juliana Carvalho nasceu em 1981 em Porto Alegre, Brasil. Ela tem uma família grande e teve uma infância incrível. Quando ela tinha 19 anos, uma inflamação da medula espinhal a deixou em uma cadeira de rodas. Em vez de sentir pena de si mesma, ela transformou esse evento de mudança de vida em uma incrível oportunidade de crescer e se desenvolver.

Ela criou e apresentou o programa de televisão público brasileiro Faça a Diferença, que promove os direitos humanos e o respeito à diversidade. Ela é autora do blog Comédia da vida aleijada (comediasdavidaaleijada.blogspot.com) e também colaborou com o grupo de mídia RBS para criar o blog No Barriers abordando tópicos relacionados à acessibilidade. Produziu e dirigiu o premiado curta-metragem O que os olhos não vêem, As pernas não sentem e ganhou o Prêmio de Melhor História Verdadeira da revista Marie Claire Brasil 2012 por um ensaio sobre sua redescoberta sexual depois de se tornar paraplégico.

Juliana publicou sua autobiografia Na minha cadeira ou na tua?

Em 2010. Com a publicação de sua história inspiradora, Juliana ganhou manchetes em todo o Brasil, seu país natal. Ganhando uma forte resposta pública, seu livro vendeu mais de 30.000 cópias e foi distribuído para escolas públicas em todo o país pelo Ministério da Educação. As principais redes de televisão entrevistaram Juliana e, em pouco tempo, ela se tornou porta-voz do movimento de inclusão.

Livro: Na minha cadeira ou na tua? (Português)

In my chair or in yours? (Inglês)

juliana.co.nz

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar